(21) 3617-0129 | Whatsapp: (21) 9 9186-5992

Começa a chover e as primeiras gotas já são capazes de provocar um enorme caos no trânsito. Quando a água é muita, então, dirigir pode virar uma aventura bem perigosa. As chances de você passar por vias alagadas são enormes e, por isso, é essencial saber o que fazer quando der de cara com uma enchente, a fim de evitar enfrentar qualquer problema com o carro.

O mais importante é estar sempre alerta e bem informada. O rádio é o principal aliado, já que muitas emissoras transmitem informações das condições de trânsito em tempo real. Sabendo dos pontos mais críticos da cidade, sempre os evite, procurando rotas alternativas. Mas a gente sabe que nem sempre dá para fugir. Se for esse o caso, o engenheiro mecânico e professor da Escola de Engenharia e Tecnologia da Universidade Anhembi Morumbi, Carlos Carneiro, ensina sete medidas importantes para sair do aguaceiro com o veículo intacto.

Atenção à profundidade – Quando precisar passar por uma rua tomada pela água, é preciso ter garantias de que dá para enfrentar. O ideal é observar antes os motoristas à frente. Se o nível da enchente não ultrapassar o meio da roda, está liberada para ir em frente!

Nunca mude da primeira marcha – Essa dica é valiosa. Nunca entre com muita velocidade em uma área alagada. Pare o carro antes e, quando for avançar, engate a primeira marcha e mantenha a aceleração. “Em uma aceleração constante, a frente do veículo vai formar uma onda na água, fazendo com que fique mais raso perto do motor”, ensina o especialista.

Câmbios automáticos desligados! – Em carros que têm tanto a opção de câmbio automático quanto manual, opte pelo segundo. O ideal é garantir que esteja sempre na primeira marcha.

Jamais deixe o carro morrer – Essa pode ser a chance de a água danificar de vez o motor do carro, causando o maior problema que uma enchente pode ocasionar: o calço hidráulico. Ele acontece quando a água entra pelo escapamento e invade a câmara de combustão. Assim, onde deveria ser comprimido o ar e o combustível pelo pistão, existe água. Isso faz com que o motor trave e deixe de funcionar. E ninguém aqui quer ficar ilhada, certo?

Não divida espaço – Passar pela enchente junto com outros carros é muito arriscado, justamente pela movimentação da água, que já falamos quando demos a dica da marcha. “Um carro em mão contrária ou no mesmo sentido, em paralelo, pode criar ondas e jogar água para cima do veículo, fazendo com que a água cause o calço hidráulico. Sempre vá sozinha. Se tiver algum apressadinho, deixe passar e atravesse com segurança”, indica o professor Carneiro.

Nada de ar-condicionado – O aparelho usa a potencia do motor para refrigerar o ambiente. Se ele estiver desligado, você pode usar o motor única e exclusivamente para se locomover.

Saindo da enchente, freie – “Depois de passar por uma área alagada, os freios ficam muito molhados. A dica é, quando sair da enchente, antes de seguir, freie de leve”. Essa medida, segundo o engenheiro, tira um pouco da umidade e evita que você fique na mão quando precisar frear mais à frente.

Teve o carro atingido por uma enchente? Saiba o que fazer

O carro morreu. E agora?

Se o motor estava ligado e a altura da água atingiu a entrada de ar superior do veículo, ele desligará automaticamente por uma questão química: sem o ar externo não existe combustão.

O principal erro é insistir na partida. Fazendo isso, o motor pode sugar a água de fora para dentro e resultar no calço hidráulico – quando a água invade a câmara de combustão e o pistão exerce grande esforço para vencer a resistência da água, empenando as bielas e travando o motor.

Válvulas, bronzinas, comandos de válvula e virabrequim também poderão ficar avariados e o prejuízo será ainda maior.

Como saber se a água chegou ao motor?

O primeiro passo é abrir o capô e checar o filtro de ar. Caso ele esteja encharcado, é grande a probabilidade de a água ter atingido pontos críticos do motor.

Por isso, se seu carro possui seguro, a melhor opção é transportar o veículo de guincho para uma oficina credenciada. Lá, o mecânico deverá retirar as velas e, com uma bomba manual, retirar a água que possa ter invadido a área dos cilindros.

Depois de removida a água, é hora de reposicionar as velas e tentar ligar o motor. Se ele pegar, basta trocar o óleo.

Porém, se mesmo após a limpeza o carro não funcionar, temos más notícias: o motor travou e precisará de reparos mais severos, como a desmontagem para uma identificação mais precisa dos danos.

Se seu carro possui seguro, é hora de solicitar ao seu corretor que faça um aviso de sinistro e providencie um guincho. Priorize oficinas especializadas por ser um reparo mais delicado e caro. Desconfie de soluções rápidas e baratas.

Como está o Seguro do seu Carro? Preencha o formulário abaixo e faça a sua cotação:

× Converse no Whatsapp